10 Maio 19

INCT-Áreas Úmidas (INAU) dá o primeiro passo para a uniformização da Definição, Delineamento e Classificação de Áreas Úmidas na América do Sul

Escrito por 

 

Em 2012, durante a discussão sobre o Novo Código Florestal,  um consórcio de cientistas de varias universidades e instituicoes brasileiras sob a liderança do Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia em Áreas Úmidas (INCT-INAU) da UFMT,  elaborou uma definição para as AUs brasileiras, além de metodologias para o seu delineamento e a sua classificação.  Este trabalho foi publicado na revista “Aquatic Conservation: Marine and Freshwater Environments” (Junk et al. 2014)[1]. Em 2015 a definição, a classificação e o delineamento das AUs propostos pelo INAU foram recomendados pelo Conselho Nacional de Zonas Úmidas (CNZU) do Ministério do Meio Ambiente brasileiro (MMA) para serem usadas pelos órgãos envolvidos em questões ambientais (Recomendação CNZU n. 07/2015).

Durante o mesmo periodo, depois de grandes inundações na Colômbia, o governo daquele país estimulou a elaboração de um levantamento e classificacao das AUs no seu território. Foram realizadas várias reuniões científicas com a participação de alguns peritos internacionais, entre eles Prof. Dr. Wolfgang Junk, coordenador cientifico do INCT-INAU. Os cientistas chegaram à conclusão, que a melhor abordagem seria o aproveitamento da classificação brasileira, porém com adaptações às peculiariedades climáticas, geológicas e geográficas da Colômbia. Este trabalho foi recentemente publicado na Revista  “Wetlands” (Ricaurte et al. 2019)[2].

O uso da abordagem Brasileira pelos colegas Colombianos valoriza a classificação Brasileira e pode ser considerado como um primeiro passo para uma classificação uniformizada das AUs na América do Sul. Considerando o fato de que muitas AUs importantes se estendem ao longo de grandes rios transfronteiriços, e.g. o Rio Amazonas e os Rios Parana/Paraguai, uma classificação uniformizada das AUs iria não somente fascilitar estudos comparativos, mas iria também permitir a elaboracao de uma legislacao harmonizada a respeito do manejo sustentável e da proteção destas áreas, cujo uso afeta de forma direta ou indireta frequentemente vários países. 

 

 

 

[1] JUNK, W.J. et al. Brazilian wetlands: their definition, delineation, and classification for research, sustainable management, and protection. Aquatic Conservation: Marine and Freshwater Environments 2014, v. 24, p. 5-22. Disponível em: https://doi.org/10.1002/aqc.2386.

 [2]  RICAURTE, L.F. et al. A Classification System for Colombian Wetlands: an Essential Step Forward in Open Environmental Policy-Making. Wetlands 2019, v. 39, p. 1-20. ISSN 0277-5212. Disponível em: https://doi.org/10.1007/s13157-019-01149-8.

Ler 15 vezes
Avalie este item
(0 votos)

Restrito

Facebook

Contato

Centro de Pesquisa do Pantanal

Rua Dois, N.º 497, Sala 02, Bairro Boa Esperança

Cuiabá - MT

Telefones: + 55 (65)3627-1887

Email: gestao.cpp@gmail.com

Sobre nós

O Centro de Pesquisa do Pantanal – CPP – é uma organização independente, com enfoque humanista e sem fins lucrativos. Seu propósito maior é a promoção da cidadania, que no século XXI, tem na questão ambiental seu ponto chave.

Funcionando em estrutura de rede, o CPP está fortemente calcado em parcerias governamentais e não governamentais dos estados de Mato Grosso e Mato Grosso do Sul, contando também com o apoio de setores do governo federal.